Wednesday, February 24, 2010

Lista de livros da Rory Gilmore

Eu tentei assistir Gilmore Girls, tentei mas nunca consegui realmente acompanhar... talvez se tivesse dado tempo para que os personagens me cativassem ao invés de ficar os criticando, a coisa teria andado mas não aconteceu.

Na época eu não sabia que Rory era viciada em livros, em nenhum dos episódios que parei para assistir na época a vi lendo alguma coisa - alias o que mais via era ela discutindo com a mãe, ficando de mal e se refugiando na casa do avós, aquelas figuras superciais e fúteis (na maioria das vezes) - não era um exemplo que me agradava.

Porém, numa das minhas visitas ao blog The Novel World, percebi que a Nari tinha colocado a lista dos livros mencionados na série... e a lista era enoooorme! Assisti algumas reprises por aqui e não é verdade que Rory Gilmore era mesmo bookaholic? (nas primeiras 3 temporadas... depois, quando ela descobre os garotos, meio que deixa os livros de lado!). O que me chamou atenção foi o fato de que a maioria dos livros citados no seriado eram clássicos, não apenas os chick-lit que têm preenchido a maioria das prateleiras nas livrarias!

Fiquei muitíssimo inspirada (e arrependida por não ter prestado atenção nesse detalhe antes), já li alguns dos livros da lista e quero ler tantos outros (alguns com resenha aqui no blog, outros antes do blog surgir - mas que lerei novamente porque valem a pena!). A lista é bem eclética, não inclui apenas romances, tem não-ficção, poesias, biografias, filosofia, históricos, etc., e não é restrita apenas aos escritores americanos, inclui de europeus a asiáticos. Então decidi compartilhar com vocês.

Legenda:                   Lidos                       Lidos com resenha

001. 1984 by George Orwell

002. A Confederacy of Dunces by John Kennedy Toole

003. A Heartbreaking Work of Staggering Genius by Dave Eggers

004. Mencken Chrestomathy by H.L. Mencken

005. A Month Of Sundays: Searching For The Spirit And My Sister by Julie Mars

006. A Passage to India by E.M. Forster

007. A Quiet Storm: A Novel by Rachel Howzell Hall

008. A Room of One’s Own by Virginia Woolf

009. A Separate Peace  by John Knowles

011. Dreiser American Tragedy by Theodore Dreiser

012. Anna Karenina  by Leo Tolstoy

013. Anne Frank: The Diary of a Young Girl by Anne Frank

014. Atonement: A Novel by Ian McEwan

015. Autobiography of a Face by Lucy Grealy

016. Balzac and the Little Chinese Seamstress: A Novel by Dai Sijie

017. Bee Season: A Novel by Myla Goldberg

018. Bel Canto (P.S.)  by Ann Patchett

019. Beloved by Toni Morrison

020. Beowulf: A New Verse Translation

021. Brave New World by Aldous Huxley

022. Brick Lane: A Novel by Monica Ali

023. Catch-22 by Joseph Heller

024. The Collected Stories of Eudora Welty by Eudora Welty

026. Cousin Bette by  Honoré de Balzac

027. Crime and Punishment  by Fyodor Dostoyevsky

028. Daisy Miller by Henry James

029. David Copperfield  by Charles Dickens

030. Dead Souls by  Nikolai Gogol

031. Death of a Salesman by Arthur Miller

032. Demons, 182  by Fyodor Dostoevsky

033. Dr. Jekyll and Mr. Hyde by Robert Louis Stevenson

034. Eleanor Roosevelt   by Blanche Wiesen Cook

035. Ella Minnow Pea: A Progressively Lipogrammatic Epistolary Fable  by Mark Dunn

036. Emma  by Jane Austen

037. Empire Falls  by Richard Russo

038. Ethan Frome by Edith Wharton

039. Rick Steves’ Europe Through the Back Door 2007: The Travel Skills Handbook by Rick Steves

040. Extravagance: A Novel by Gary Krist

041. Fahrenheit 451: A Novel by Ray Bradbury

042. Fat Land: How Americans Became the Fattest People in the World by Greg Critser

043. Flowers for Algernon by Daniel Keyes

044. Frankenstein by Mary Shelley

045. Franny and Zooey by J.D. Salinger

046. Galapagos by Kurt Vonnegut

047. Hamlet  by William Shakespeare

048. Heart of Darkness by Joseph Conrad

050. Holidays on Ice: Stories by David Sedaris

051. How the Light Gets in by M. J. Hyland

052. How to Breathe Underwater by Julie Orringer

053. Howl by Allen Ginsberg

054. Inherit the Wind  by Jerome Lawrence

055. Jane Eyre  by Charlotte Brontë

056. Just a Couple of Days by Tony Vigorito

057. Leaves of Grass by Walt Whitman

058. Letters to a Young Poet by  Rainer Maria Rilke

060. Little Dorrit by Charles Dickens

061. Little Women  by Louisa May Alcott

062. Living History  by Hillary Rodham Clinton

063. Lord of the Flies  by William Golding

064. Madame Bovary by Gustave Flaubert

066. Memoirs of a Dutiful Daughter by Simone de Beauvoir

067. Middlesex: A Novel by Jeffrey Eugenides

068. Moby-Dick: or, The Whale  by Herman Melville

069. Monsieur Proust by Celeste Albaret

070. Mrs. Dalloway  by Virginia Woolf

071. My Lai 4: A Report on the Massacre and Its Aftermath  by Seymour M. Hersh

072. My Life in Orange: Growing Up with the Guru by Tim Guest

073. My Sister’s Keeper  by  Jodi Picoult

074. Nervous System: Or, Losing My Mind in Literature by Jan Lars Jensen

075. New Poems of Emily Dickinson by Emily Dickinson   ( 1 2    ) 

076. Night by Elie Wiesel

077. Dawn Powell: Novels 1930-1942 by Dawn Powell

078. Of Mice and Men by John Steinbeck

079. Old School by Tobias Wolff

080. Oliver Twist by Charles Dickens

081. On the Road by Jack Kerouac

082. One Flew Over the Cuckoo’s Nest  by Ken Kesey

083. Oracle Night: A Novel by  Paul Auster

084. Oryx and Crake by  Margaret Atwood

085. Othello by William Shakespeare

086. Out of Africa by Isak Dinesen

087. Please Kill Me: The Uncensored Oral History of Punk by Legs McNeil

088. Property  by  Valerie Martin

089. Pushkin: A Biography  by  T.J. Binyon

090. Pygmalion  by George Bernard Shaw

091. Quattrocento by   James Mckean

092. Reading Lolita in Tehran: A Memoir in Books by Azar Nafisi

093. Rescuing Patty Hearst: Memories From a Decade Gone Mad by Virginia Holman

094. Romeo and Juliet  by William Shakespeare

095. Rosemary’s Baby by  Ira Levin

096. Sacred Time: A Novel  by Ursula Hegi

097. Sanctuary  by William Faulkner

098. Savage Beauty: The Life of Edna St. Vincent Millay by  Nancy Milford

099. Seabiscuit: An American Legend by Laura Hillenbrand

100. Sense and Sensibility by Jane Austen

101. Siddhartha: Siddhartha  by  Hermann Hesse

102. Slaughterhouse-Five by Kurt Vonnegut

103. Small Island: A Novel by  Andrea Levy

104. The Snows of Kilimanjaro and Other Stories  by Ernest Hemingway

105. Song of the Simple Truth: The Complete Poems of Julia de Burgos  by  Julia de Burgos

106. Songbook by Nick Hornby

107. Speak, Memory  by Vladimir Nabokov

108. Stiff: The Curious Lives of Human Cadavers by Mary Roach

109. Swann’s Way by  Marcel Proust

110. Swimming With Giants: My Encounters With Whales, Dolphins, and Seals by Anne Collet

111. Sybil by Flora Rheta Schreiber

112. A Tale of Two Cities by Charles Dickens

113. Tender Is the Night by  F. Scott Fitzgerald

114. Adventures of Huckleberry Finn by Mark Twain

115. The Amazing Adventures of Kavalier and Clay  by Michael Chabon

116. The Art of War  by Sun Tzu

117. The Awakening by Kate Chopin

118. The Bell Jar by Sylvia Plath

119. The Bielski Brothers: The True Story of Three Men Who Defied the Nazis,
Built a Village in the Forest, and Saved 1,200 Jews by Peter Duffy

120. The Catcher in the Rye  b J.D. Salinger

121. The Code of the Woosters by  P.G. Wodehouse

122. The Count of Monte Cristo by  Alexandre Dumas Père

124. The Devil in the White City: Murder, Magic, and Madness at the
Fair that Changed America by Erik Larson

125. The Electric Kool-Aid Acid Test by Tom Wolfe

127. The Fortress of Solitude by Jonathan Lethem

128. The Fountainhead  by  Ayn Rand

129. The God of Small Things by  Arundhati Roy

130. The Great Gatsby  by  F. Scott Fitzgerald

131. The Group by Mary McCarthy

132. The Handmaid’s Tale  by Margaret Atwood

133. The Holy Barbarians by Lawrence Lipton

135. The Jungle by Upton Sinclair

136. The Kitchen Boy: A Novel of the Last Tsar  by  Robert Alexander

137. The Kite Runner  by Khaled Hosseini

138. The Last Empire: Essays 1992-2000 by Gore Vidal

139. The Lion, the Witch and the Wardrobe by C. S. Lewis

140. The Little Locksmith: A Memoir  by Katharine Butler Hathaway

141. The Lottery: And Other Stories by Shirley Jackson

142. The Lovely Bones by Alice Sebold

143. The Manticore by Robertson Davies

144. The Master and Margarita by  Mikhail Bulgakov

145. The Meaning of Consuelo: A Novel by Judith Ortiz Cofer

146. The Metamorphosis by Franz Kafka

147. The Naked and the Dead by Norman Mailer

148. The Name of the Rose by Umberto Eco

149. The Namesake by Jhumpa Lahiri

150. The Nanny Diaries by Emma McLaughlin

151. The Opposite of Fate by Amy Tan

153. The Polysyllabic Spree by Nick Hornby

154. The Portable Dorothy Parker by Dorothy Parker

155. The Portable Nietzsche  - (Viking Portable Library)

156. The Price of Loyalty: George W. Bush, the White House,
and the Education of Paul O’Neill  by Ron Suskind

157. The Razor’s Edge by  W. Somerset Maugham

158. The Red Tent  by Anita Diamant

159. The Rough Guide to Europe 2006 - Various Authors

160. The Scarecrow of Oz  by  L. Frank Baum

161. The Scarlet Letter by Nathaniel Hawthorne

162. The Second Sex by Simone De Beauvoir

164. The Shadow of the Wind by Carlos Ruiz Zafon

165. The Song of Names by Norman Lebrecht

166. The Song Reader  by  Lisa Tucker

167. The Sound and the Fury by William Faulkner

168. The Story of My Life  by Helen Keller

169. Sun Also Rises  by Ernest Hemingway

170. The Time Traveler’s Wife  by  Audrey Niffenegger

171. The True and Outstanding Adventures of the Hunt Sisters: A Novel  by Elisabeth Robinson

172. Unabridged Journals by Sylvia Plath

173. The Year of Magical Thinking by Joan Didion

174. Time and Again by Jack Finney

175. To Kill a Mockingbird  by Harper Lee

176. Truth and Beauty: A Friendship by Ann Patchett

177. Uncle Tom’s Cabin by Harriet Beecher Stowe

178. Unless: A Novel (P.S.) by Carol Shields

179. Vanity Fair  by William Makepeace Thackeray

180. War and Peace by  Leo Tolstoy

181. When the Emperor Was Divine by Julie Otsuka

182. Who’s Afraid of Virginia Woolf? by  Edward Albee

183. Wicked: The Life and Times of the Wicked Witch of the West by Gregory Maguire

184. Divine Secrets of the Ya-Ya Sisterhood: A Novel  by   Rebecca Wells

Sunday, February 21, 2010

The Awakening (Kate Chopin)

Pensei já ter comentado sobre The Awakening antes, nem acreditei quando não encontrei na minha lista de posts - um livro de tamanha importância não poderia faltar por aqui!

Quando o livro foi lançado no sec. XIX, Kate Chopin foi criticada e odiada devido suas ideias liberais e avançadas demais para a tradicionalista e machista sociedade da época.

The awakening reflete os profundos pensamentos de Chopin através Edna Pontellier, esposa e mãe que durante o verão na casa de praia da familia Lebrun se apaixona por Robert Lebrun.

O sentimento despertado pelo jovem Robert, muda a maneira de pensar de Edna (que já tinha certa independência intelectual se comparado com as demais personagens femininas da história), o turbilhão de sentimentos e questionamentos faz com que abra seu olhos para um mundo de possibilidades - uma vida sem o marido, uma vida além daquele pequeno círculo social que vivia, uma vida em que a própria Edna tomaria as rédeas de seus passos.

"Edna Pontellier não poderia dizer o porquê desejava ir à praia com Robert, primeiro que ela deveria ter negado o pedido desde o início; e segundo, ter seguido em obediência a um dos dois impulsos contraditórios que a impelia"(pag. 16)

The awakening - O despertar, em português - significa exatamente o despertar de Edna para a vida, para os seus desejos, interesses, vontades e direito de controlar seus próprios passos. O livro me lembra Anna Karenina em muitos pontos, inclusive no desfecho da história. Através de Edna, Chopin tenta quebrar barreiras, abrir espaço para as mulheres na sociedade - que até então tinham apenas os papéis de mãe e esposa, não é a toa que Kate Chopin foi tão aclamada pelo movimento feminista.

Eu fiquei um pouco surpresa com o final, não esperava mesmo, e confesso que me desapontei um pouco porque, pelo menos para mim, deixou sem propósito os ideais que a personagem de Edna tentou conquistar durante a história, mas não posso desconsiderar que gosto do modo que ela escreve e das descrições que ela faz (similar ao Tolstoy) fazendo o leitor imaginar o cenário, tempo e movimentos dos personagens.

"Pensa nas crianças, Edna. Ah pensa nas crianças! Lembra delas!" (pag. 127)
* Livro da Lista Rory Gilmore.

Saturday, February 20, 2010

Poema de Sábado

A Rosa de Hiroxima

Pensem nas crianças
Mudas telepáticas
Pensem nas meninas
Cegas inexatas
Pensem nas mulheres
Rotas alteradas
Pensem nas feridas
Como rosas cálidas
Mas oh não se esqueçam
Da rosa da rosa
Da rosa de Hiroxima
A rosa hereditária
A rosa radioativa
Estúpida e inválida
A rosa com cirrose
A anti-rosa atômica
Sem cor sem perfume
Sem rosa sem nada.

(Vinícius de Moraes - Nova Antologia Poética, Companhia das Letras)

Friday, February 19, 2010

Three Cups of Tea (Greg Mortenson & David Oliver Relin)

Fazia tempo que queria ler esse livro, não sabia muito sobre a história, apenas sabia que era não-ficção.
Three Cups of Tea - Três Xícaras de Chá, em português - está na lista (aqui) dos mais vendidos do The New York Times por 158 semanas, isso mesmo 158 semanas = 3 anos e pouco.

Alguma coisa muito boa esse livro deveria ter para manter seu posto por tanto tempo, e eu queria muito saber o que era.

Greg Mortenson é filho de pais missionários e professores da igreja Luterana. Nasceu nos EUA mas logo mudou para Tanzânia de onde só partiu no início da adolescência, após o pai conseguir fundar um hospital para o povo da tribo onde moravam. Sua irmã Christa contraiu meningite aos 3 anos e nunca se recuperou por completo, após a morte do pai, Mortenson se sente responsável pela irmã e se torna seu protetor, ajudando a irmã a ter certa independência apesar da debilidade nos movimentos e os ataques de epilepsia (heranças da meningite). A morte de Christa aos 23 anos de idade impactou a vida de Mortenson, sonhava em escalar o K-2, uma das cordilheiras de montanhas mais perigosas e traiçoeiras do mundo, e deixar no topo seu amuleto - o colar que um dia fora de Christa.

Mortenson escala o K-2, em meio ao frio e o sentimento de vazio, descobre que está perdido, após 78 dias de escalada! Tenta encontrar o caminho de volta e vai parar numa comunidade isolada chamada Korphe, apesar de ser um estranho, foi recebido com carinho por Haji Ali, o ancião da vila, que lhe deu o melhor lugar para dormir e o melhor que tinha para comer, não sem antes tomarem três xícaras de chá.

"Observando o ardor com que devoravam a carne, Morterson compreendeu quão raro era aquela refeição para o povo de Korphe, e quão próximo da fome eles viviam".(pag. 29)

Ao passo que se recuperava da exaustão da escalada, Mortenson começa a ajudar aquela gente no que pode, como era formado em Enfermagem, e o hospital mais próximo ficava há 8 horas de viagem, Greg "fazia o pouco que podia para diminiur a avalanche de necessidades" (pag. 31), até encontrar as crianças de Korphe estudando... não havia escola na vila, não havia dinheiro para pagar professores, as crianças estudavam rabiscando com gravetos no chão, sob a luz do sol.

Nem preciso dizer que Greg sentiu um aperto tremendo no coração ao ver a sede por conhecimento daquelas crianças e quão inóspita era a situação naquela vila, prometeu que voltaria para ajudar o povo de Korphe e se mandou para os EUA, onde trabalhou dia e noite, dormindo no seu carro velho, tendo apenas duas refeições diárias em restaurantes fast food, para juntar $12 mil e construir uma escola na vila de Korphe. Tentou pedir doações de celebridades, de políticos, instituições filantrópicas, enfim, foram 500 cartas distribuídas e NENHUMA resposta a não ser a doação de $623.45 feita por crianças da escola onde Jerene, mãe de Greg, trabalhava.

Com a ajuda de um amigo, publicou seu desejo numa revista especializada em montanhismo, tentando sensibilizar àqueles que, como ele, amavam escalar e conheciam as necessidades do povo do Paquistão, especialmente nos arredores dos picos onde escalavam. Como resultado, recebeu o telefonema de Jean Hoerni, milionário inventor dos chips semicondutores no Vale do Silício (aqui onde moro!!!) que doou os $12 mil necessários para a construção da escola.

O que Greg não atentou foi para o detalhe de que a vila de Korphe ficava separada do restanto do país por um abismo, a travessia se dava através de caixas de madeiras penduradas em cordas - como transportariam os materiais necessários para a construção da escola? Antes da escola é preciso contruir uma ponte. Lá Greg volta para os EUA para angariar fundos para a ponte. É na viagem de volta que Greg tem seu coração partido, a médica com quem namorava o deixa e muito por acaso ele conhece Tara, com quem se casa em menos de uma semana.

Construir a primeira escola não foi fácil, além do tempo para angariar fundos para uma ponte (novamente doados por Jean Hoerni), Greg também teve que enfrentar as tensões de um país de cultura religiosa repressiva e rígida, de certa forma dividido, cheio de conflitos de interesse, fora a desonestidade de alguns, e até mesmo o clima severo daquele país. Jean Hoerni faleceu pouco tempo depois de a primeira escola ser fundada, em sua homenagem, mas não sem antes desfrutar do prazer de ter feito um bem para a humanidade, fundou a CAI (Central Asia Institute) e deixou $1 milhão na conta da instituição que tinha Greg Mortenson como diretor.

"Ele pegou seu Alcorão de orelhas dobradas e cinzento e segurou em frente a luz do fogo. 'Vês quão bonito é esse Alcorão?' perguntou Haji Ali. (...) 'Não posso lê-lo. (...) 'Não posso ler nada. Essa é a maior tristeza da minha vida. Farei qualquer coisa para que as crianças da minha vila nunca conheçam essa dor. Pagarei qualquer preço para que tenham a educação que merecem'" (pag. 153)

O dinheiro deixado por Jean serviu para montar a equipe de Greg no Paquistão, construir dezenas de outras escolas em diferentes vilas tão necessitadas quanto a primeira, e manteve o salário dos professores contratados para educar aquelas crianças tão sedentas por educação - mas pouco tempo depois os recursos foram acabando e Greg teve que se aventurar e dar a cara a bater para angariar mais fundos para os projetos do CAI - as aventuras, tropeços, noites em claro estão registrados nas páginas de Three Cups of Tea.

A primeira visita de Greg ao Paquistão foi em 1993, e desde então, Mortenson visita o país pelo menos uma vez por ano, construindo escolas, mantendo as já construídas, ajudando refugiados de guerras - Greg estava no Paquistão quando os aviões atingiram as Torres Gêmeas, 11/9 - foi sequestrado, foi jurado de morte, passou fome, passou medo, foi ofendido, mas também foi tratado como filho por aqueles a quem ajudou (especialmente Haji Ali), sofreu com a morte dos anciãos que o ajudaram a levantar as primeiras paredes das escolas e agora vibra com as vittórias conquistadas pelas meninas, primeiras alunas formadas por escolas do CAI.

Leva certo tempo para realmente se envolver com a história, há muitos, muitos detalhes, detalhes que poderiam ser relevados para não deixar a história cansativa. É difícil memorizar o nome de todas as pessoas mencionadas por Greg, nem lembro quantas vezes fiquei tentando lembrar quem era quem para poder me localizar no mapa e na história, o que ajudou também foram as fotos, daí conhecemos Greg e o outros membros do instituto.

"Dr. Greg, deves encontrar tempo para tomar três xícaras de chá. (...) Haji Ali me ensinou a compartilhar três xícaras de chá, a diminuir o ritmo e que constuir relacionamentos é tão importante quando construir projetos." (pag. 150)

Greg também esclarece fatos sobre os conflitos entre Índia e Paquistão e sobre o Taliban e como conseguiram fundos para financiar os atentados de 11/9, explica como as madrassas "investem" na educação de crianças (meninos) para fazê-las terroristas ou extremistas no futuro. Investir na educação de mulheres foi o alvo principal de Greg, porque os homens quando conseguem um grau de estudo mais elevado, abandonam suas vilas em busca de trabalhos na cidade, as mulheres não, elas retornam para suas vilas para educar e melhorar as condições de vida e sobrevivência da comunidade.

Vale muito a pena ler Three Cups of Tea, parte da renda na venda dos livros é destinada ao CAI, então se você compra o livro sabe que está ajudando a comprar um tijolinho a mais para ajudar as crianças do Paquistão e do Afeganistão... sim, o final de Three Cups of Tea deixa no ar aquela esperança de que Greg ajudará as crianças de Kabul e, Inshallah, de outras cidadezinhas necessitadas do Afeganistão.

Versão do livro para crianças - tem fotos extras - eu tenho as duas versões!

Site do CAI aqui
Site do livro aqui

Thursday, February 18, 2010

Hoje estou tão feliz que tive que vir aqui compartilhar com vocês!
Acabei de receber meus presentes de Natal do meu pai (eu sei que já estamos no final de fevereiro mas quem liga para isso?). Ele havia me mandando alguns livros no início de dezembro - livros que eu poderia comprar aqui, nenhum escritor brasileiro, tive que fazer uma reclamaçãozinha de leve né?!
Dessa vez mandei uma listinha com os autores e algumas possíveis obras, nem acreditei quando recebi meus escritores brasileiros favoritos em meio a novos modelos de havaianas (rs!)
Paizinho, dessa vez caprichaste, quase chorei de emoção ao abrir a caixa - tá, confesso que os olhos encheram de lágrimas!
Amo-te. Obrigada.

Wednesday, February 17, 2010


Fiquei muitíssimo surpresa e feliz quando a Mariane, do Compartilhando Leituras, pediu que eu desse uma passadiinha no blog dela, chego lá e dou de cara com o selinho. Que querida, Mari, muitíssimo obrigada.

Quando escrevo minhas resenhas, com muito de mim e do que eu senti ao ler os meus amados livros, não penso nas reações que as pessoas podem ter, se gostarão ou detestarão, se me visitarão de vez enquando ou se nunca mais visitarão meu blog. Escrevo para mim, para deixar marcado na história da minha vida o que o livro e seus personagens representaram para mim naquele momento que li.

O livro lido em 2010 que marcou-me de uma forma profunda e até dolorida - chorei até enquanto lia os agradecimentos - foi Three Cups of Tea (que terminei de ler poucos minutos atrás), do Greg Mortenson & David Oliver Relin. A resenha postarei muitíssimo em breve porque não vejo a hora de compartilhar essa história de batalhas e encantos com vocês.

Fico feliz em saber que alguém, além de mim (rs), identifica-se com o que escrevo. Por isso, mais uma vez, obrigada Mari.


1. Indicar o link do post da resenha que você fez e mais gostou (em breve);
2. Presentear com o selinho outros blogs que tenham resenhas maravilhosas;

Viajar pela Leitura - O blog da Paula é uma delícia de ler, não tem apenas suas resenhas com opiniões inteligentes mas também divulga outros blogs através de promoções, enquetes, giveaways, e suas reflexões quase que em forma de artigos. Fora que ela tem uma quedinha por clássicos como eu, quando preparei meu resumo do ano, percebi que eu tinha lido pelo menos 5 livros da lista de lidos dela em 2009.

Clarice na Janela - Ai, ai, a Clarice registra pedacinhos e pedacinhos do oceano que tem dentro de si. Com postagens curtinhas mas que dizem com tamanha clareza e experiência aquilo que muitos não conseguem pôr em palavras... mas é tudo sobre ela, o que ela sente, o que ela deseja. Sem saber, muitas vezes desejo o mesmo, sinto o mesmo. Quando ela mencionou um trecho do livro "A insuportável leveza do ser", do Milan Kundera - um dos meus preferidos (ever!)... ela roubou meu coração.

Visão Literária - Encontrei esse blog quando pesquisava outras resenhas sobre "Água para Elefantes" para colocar o link no final da minha resenha, escrevi em vários blogs pedindo permissão para postar o link, Eduardo foi o único a me responder! O Visão Literária é bem simples, não segue mais que dois blogs, não tem uma enorme lista de seguidores, Eduardo não costuma comentar em blogs alheios, mas as resenhas dele são excelentes... e ele gosta de clássicos mas, como eu, não se prende à eles apenas... faz variações entre o novo e o velho. Vale a pena!

Os Meus Livros - Manuel é o resenhista perfeito! Impacial, com um português corretíssimo e uma afinidade com as palavras como poucos... e um dos mais ecléticos nas obras escolhidas. Amo dá uma paradinha para ler seus resumos.

Saturday, February 13, 2010

Poema de Sábado

How Do I Love Thee?

How do I love thee? Let me count the ways.
Como eu te amo? Deixe-me contar as maneiras.
I love thee to the depth and breadth and height
Amo-te com a profundeza e grandeza e altura 
My soul can reach, when feeling out of sight
Que minha alma pode alcançar, quando quase desaparecendo
For the ends of Being and ideal Grace.
Para os confins do Ser e Graça ideal.
I love thee to the level of everyday's
Amo-te no nível de cada dia
Most quiet need, by sun and candle-light.
Necessidade silenciosa, da luz do sol ao anoitecer.
I love thee freely, as men strive for Right;
Amo-te livremente, como os homens que lutam por seus Direitos;
I love thee purely, as they turn from Praise.
Amo-te puramente, como aqueles que recusam a Glória.
I love thee with the passion put to use
Amo-te com paixão posta em prática
In my old griefs, and with my childhood's faith.
Nas minhas dores antigas, e com minha fé da infância.
I love thee with a love I seemed to lose
Amo-te com o desespero de um amor que posso perder
With my lost saints-I love thee with the breath,
Com meus santos perdidos - Amo-te com o ar,
Smiles, tears, of all my life!-and, if God choose,
Sorrisos, lágrimas, de toda minha vida! -e, se Deus conceder,
I shall but love thee better after death.
Amar-te-ei ainda mais após a morte.

(Elizabeth Barrett Browning,
poeta inglesa da era Vitoriana / 1806-1861)

Em homenagem a Fredrik - Valentine's Day 2010

Wednesday, February 10, 2010

Wuthering Heights (Emily Brontë)

Aposto que minha amiga Dani Bivar vai ficar muitíssimo feliz em saber que li seu livro favorito e que ela tanto me sugeriu. Finalmente li alguma coisa das irmãs Brontë, é o que disse a mim mesma!

Não tinha a menor idéia do que esperar da história (sabem que não leio resumos ou sinopses antes) e  devo confessar que quando terminei de ler não consegui colocar em palavras o que achei da história por semanas e semanas, escrevi e re-escrevi esse post mais de quatro vezes.

O que mais gostei foi o jeito que a história foi contada... mais como uma fofofa do que como uma narrativa regular, e por isso o leitor fica sabendo de fatos cabulosos dos personagens, que passariam despercebido em uma narrativa normal.

Wuthering Heights, O morro dos ventos uivantes, em português, não é exatamente uma história de amor... a história é dramática e carregada de sentimentos do ódio, vingança e manipulação. Claro que há romantismo na história mas não aquele a que estamos acostumados dos escritores do séc. XVIII ou XIX.

Há dois cenários principais: TrushCross Grange (residência alugada por Mr. Lockwood, em 1801) - que tem Helen Dean como governanta, e Wuthering Heights - Morro dos Vento Uivantes, residência do proprietário de ambas as residências, Heathcliff.

Recém chegado a Trushcross Grange, Mr. Lockwood buscando respirar os ares do campo, decide fazer uma visita ao Morro dos Ventos Uivantes para conhecer seu locador. Fica intrigado com o comportamento dos moradores da casa, Heathcliff é um homem de poucas palavras e cheio de mistérios, não parece acostumado a receber visitas. Para seu próprio divertimento, Lockwood decide voltar no dia seguinte.

"Evidentemente ele não deseja repetição da minha intrusão. Devo ir, do mesmo jeito. É impressionante quão sociável me sinto comparado a ele." (pag. 18)

Na visita seguinte Lockwood é supreendido por uma nevasca que o deixa preso ao Morro, é quando conhece Hareton e Catherine. Mais intrigado ainda ficou porque Catherine não o dedicou nenhuma atenção, foi curta e grossa em seus diálogos. Sem contar Hareton, com sua ignorância e maus hábitos. Pensou que a bela jovem fosse casada com Heathcliff, depois que fosse sua filha, depois pensou que fosse esposa do Hareton... foi uma chuva de possibilidades.

Bom, a situação é que Lockwood ficou preso ao Morro por causa da tempestade de neve e Catherine o hospedou naquele quarto! Curioso como era, não conseguindo dormir com tantas perguntas em sua mente, Lockwood começa a folhear os livros da estante do quarto, Catherine Earnshaw, Catherine Heathcliff, Catherine Linton eram os nomes escritos na contra-capa e as páginas do livro... bem, elas serviram de diário.

Segredos estavam sendo revelados mas para Lockwood tudo era muito confuso, não conseguia montar as peças daquele quebra-cabeça. Quem seria Catherine? A mesma que havia conhecido naquela casa?
Para completar o drama, Lockwood tem um sonho louco com a Catherine mas não a que conheceu, seria um sonho ou uma visão? Lockwood não sabia explicar, e sua curiosidade aumentou ao ver o impacto em Heathcliff quando contou o ocorrido.

Quem poderia explicar os questionamentos na mente de Lockwood? Helen Dean, logicamente, a governanta da Grange é a grande narradora da história.

O Morro, a princípio era de propriedade da família Earnshaw, Catherine e Hindley eram os filhos do proprietário. Helen Dean cresceu na casa como criada, junto com Joseph. Heathcliff foi adotado pelo mestre da casa e tratado como filho, o que causou grande ciúmes em Hindley, o adotado nao tinha raízes - era um ser qualquer, um cigano encontrado pelo pai e trazido para sua casa. Catherine e Heathcliff cresceram amigos inseparáveis, mas o tratamento dedicado ao adotado era demais para Hindley - seu pai, para evitar maiores atritos, envia-o para estudar na capital.

Catherine conhece a família Linton, Edgar e Isabella (os filhos dos Lintons), com toda a sofisticação e educação de berço, atraem a atenção de Catherine. Viram amigos, especialmente de Edgar.

Quando o mestre do Morro falece, Hindley retorna para reivindicar seu posto como novo senhor da casa. Com sede de vingança porque o pai preferiu a presença de Heathcliff à sua, Hindley renega todo e qualquer suporte a Heathcliff, que passa a ser tratado pior que os servos da casa, seus estudos são cancelados, o celeiro é seu novo lar. Percebendo o relacionamento próximo da irmã e de Heathcliff, Hindley proíbe seus encontros... Já pensando que Catherine poderia casar com Edgar Linton e aumentar a fortuna da família.

De certa forma Catherine pensa o mesmo. Não há como não comparar as diferenças entre Heathcliff e Linton, são dois mundos diferentes, educações e princípios diferentes. Amava Heathcliff mas nunca poderia casar com ele.

Heathcliff some do mapa por anos. Quando retorna, Catherine está casada com Edgar e morando na Grange com o marido e Isabella, a cunhada. Helen Dean é criada da casa. A esse ponto, Hindley é viúvo, despedaçado pela morte da esposa, vira alcoólatra e viciado em jogos, apostando tudo que tem e o que não pode. O filho, Hareton, é cuidados por qualquer um, cresce sem educação, sem amor, em condições subumanas.

É aqui que começa a mudança no destino dos personagens. Heathcliff retornou para se vingar, não se sabe como conseguiu juntar certa fortuna, mas seu intuito era virar senhor do Morro dos Ventos Uivantes e da Grange (buscando vingança contra Edgar também, por ter roubado sua amada). Aproveita-se da fraqueza de Hindley, empresta-lhe dinheiro, aos poucos toma seu espaço no Morro.

O casamento de Catherine e Edgar começa a ter atritos após a chegada de Heathcliff, que tenta ao máximo se entrometer na vida do casal. Catherine sabe que Heathcliff não tem bom coração mas não consegue não querer sua companhia. Isabella, sua cunhada, agora uma adolescente boba e inexperiente, apaixona-se por Heathcliff, apesar dos conselhos de Helen Dean e Catherine. Era tudo o que o malvado queria. Os dois fogem juntos.

Da miséria da vida de Isabela e Heathcliff nasce Linton. Nem que eu queira conseguirei descrever quão cruel e desumano Heathcliff se mostra. Obcecado para atingir suas metas, Heathcliff se torna seu pior inimigo, e a situação piora depois da morte de Catherine, que deixa de herança ao marido a filha... Catherine (Cathy).

E então a história começa a se desenrolar, cruelmente... e onde se acha esperança?
Wuthering Heights revela uma das personagens femininas mais manipuladoras da história literária, na minha opinião, Catherine Earnshaw-Linton (a mãe). Conseguir superar Emma Bovary não é fácil!

Consigo lembrar de cinco personagens femininas de personalidade similar a Catherine - Emma Bovary (Flaubert), Ana Karenina (Tolstoy), Edna Pontellier (Kate Chopin), Fanny Dashwood (Austen), Daisy Buchanan (Fitzgerald) - o interessante é que todas as obras citadas foram publicadas entre 1850 e 1890, com exceção de Daisy (The Great Gatsby, 1952), seria esse um espelho do real compartamento feminino da época?

Helen Dean é subserviente mas tem uma coragem desafiadora, é minha personagem preferida. Ela é leal acima de tudo, ela ama mas não deixa seu amor cegar sua percepção, ela cuida mas não deixa de fazer clara sua opinião. Catherine (a filha) se mostra totalmente submissa e alienada, o pai super-protetor impediu que a filha conhecesse o mundo e seus perigos, cresceu num mundo de sonhos, onde a maldade não existia... tudo muda quando conhece Heathcliff.

Ler O morro dos ventos uivantes foi uma aventura... primeiro pelos complicados diálogos de Joseph que pouco entendi, segundo porque lá pela metade eu estava tão envolvida com a história que fiquei apavorada com o comportamento de Heathcliff (quem vai salvar a história!? O lado ruim vai prevalecer?!). Pouco de esperança restava em mim, pensei que emily Brontë gostasse de finais dramáticos e controversos como Chopin!

"Eu me demorei ali perto deles (...) ouvi o vento suave soprando pela grama;  e me perguntei como alguém poderia ao menos imaginar sonhos inquietantes, olhando aqueles que dormiam naquela terra tranquila" (pag. 220)

Monday, February 8, 2010

Bloodsucking Fiends (Christopher Moore)

Segundo livro escolhido por Beth para Janeiro para o Bookclub!

Outro livro sobre vampiros, esse envolve apenas os seres bebedores de sangue com uma pitada de muito bom humor e uma história de amor.

Thomas Flood muda de Indiana para San Francisco para tentar a vida de escritor. Pega a estrada com seu carrinho mais-velho-que-o-vovô que pifa logo que chega a Chico City e é ajudado por um misterioso chinesinho que cruza seu caminho e  oferece um quartinho barato por $50 por semana... com a ajuda do Imperador de San Francisco, consegue um emprego no Safeway, uma rede de supermercados, para o turno da madrugada e logo se junta aos Animais (o grupo de colegas de trabalho). Com as manhãs e tardes livres, escrever não será difícil!

Por um acaso do destino ele esbarra em Jody que há poucos dias havia sido atacada, transformando em vampira e recebido uma considerável quantia em $$ do vampiro mordedor... Ela precisava de ajuda para sobreviver na nova vida, sem condições de sair durante o dia, precisava de alguém que a ajudasse no seu período de hibernação. Ele precisava desesperadamente de um lugar decente para morar (uma vez que os chineses ilegais com quem dividia o quarto o estavam cortejando buscando um casamento para conseguir o desejado greencard - afinal San Francisco não é conhecida como a cidade dos homos?).

Meio que sem querer querendo os dois começam um relacionamento... Ele com a certeza de que teria o coração partido já imagina as histórias que escreverá em virtude da desilusão amorosa que sente estar a caminho, o fato de Jody ser uma vampira não o incomoda - há namoradas que usam drogas, outras que fumam... a dele bebe sangue e dorme o dia inteiro, fazer o quê? Esse pequeno detalhe é quase nada comparado com o imenso prazer carnal que Jody o proporciona... afinal vampiros são conhecidos por sua sexualidade, não é? E o pobre Thomas que nunca teve uma mulher na vida, sente-se no paraíso!

Um corpo escondido no freezer vira amigo-confidente de Thomas. Jody vira cobaia de Thomas que tenta comprovar se as teorias sobre vampiros que lê em livros são verdadeiras ou falsas. O vampiro centenário que mordeu Jody brinca de esconde e esconde com ela. O Imperador de San Francisco vira caçador de vampiros e tenta desvendar os crimes que vêm acontecendo, a polícia segue suas próprias pistas, e por aí vai.

Christopher Moore é um dos autores mais cômicos que já li e faz sátira do que muitos deixariam passar despercebido, quem lê Bloodsucking Fiends realmente não se entendia... eu que não sou fã de livros vampirescos gostei da história porque Moore tem um humor inteligente e não há nada como um escritor que te faz rir com tiradas simples e inteligentes. Outro fato que me prendeu à história foi a familiriaridade com o cenário, é o segundo livro que leio que tem a Bay Area como cenário e a história fica tão mais envolvente quando você reconhece o ambiente que o autor menciona, eu amo!

Christopher Moore é autor de onze livros, nasceu em Ohio, mudou para Califórnia aos 19, já teve as mais variadas profissões - de garçom à corretor de imóveis, de auditor de hotel à DJ e todas suas experiências são refletidas em seus personagens. Hoje como escritor, divide sua vida entre San Francisco e Hawaii. Para saber mais sobre o autor e suas obras, visite o site Christopher Moore

Saturday, February 6, 2010

Poema de Sábado

O poema de hoje é especial para mim porque o autor é da minha cidade-natal - Manaus/Amazonas.
Quando tinha por volta de 13 anos, encontrei um livro de poesias em meio aos livros de Direito do meu pai, o que me chamou a atenção foi a cor da capa - ROSA (minha cor favorita) e tinha uma foto do nascer do sol. Lindo! Os poemas eram simples mas de uma intimidade com as palavras que me deixou encantada.

Alguns anos depois minha mãe me viu lendo o livro (de novo e de novo) e notou o nome do autor - Antonaccio - "É o pai da Cacilda" - ela disse. "Pai da Cacilda? Aquela sua amiga, dona da Pap-Tip?!" - perguntei. Era ela mesma. Pensei que o assunto fosse morrer ali mas algumas semanas depois recebi não apenas um, mas quatro livros autografados pelo próprio Gaetano Antonaccio, sua coletânea completinha e ainda com dedicatória! Fiquei encantadíssima, lembro que nem queria tocar muito nos livros para não sujar ou amassar as folhas.

Levei-os numa viagem de férias ao nordeste (esse era o nosso destino de todas as férias na adolescência, 2 ou 3 meses em Fortaleza - depois da primeira semana eu tava desesperada para voltar pra casa!), coloqui-os na mala e quando cheguei em Fortaleza, minha mala estava com o cadeado rompido e meus preciosos livros não mais ali estavam! Nem lembro quantos dias chorei...

Então... por isso que o poema de hoje é especial - Gaetano Antonaccio não é muito conhecido, ele é um poeta calado, não faz divulgação em massa, pouco se acha sobre ele pela internet mas eu o admiro muitíssimo e cheguei até a memorizar dois dos meus poemas favoritos - Primavera e Vida, que compartilharei com vocês no futuro.

Cheiro de Banho

Sempre pela noite quando venho,
Quando te tenho, quando não tenho,

Eu sinto um prazer estranho
Um cheiro de corpo, cheiro de banho,

E meu corpo, da noite cansado,
Repouso no teu colo molhado.

E ao enlaçar teus braços macios
Sinto nas mãos teus selos frios,

Que se intumescem, se aquecem
E numa volúpia voraz, endurecem

E aí me invade um desejo carnal
E eu te afago no prazer sexual ...

Depois, quando retorno e te deixo
Me sinto feliz, de nada me queixo,

É como se a vida me reanimasse
E o nosso amor jamais terminasse.

(Gaetano Antonaccio)

Wednesday, February 3, 2010

Love the one you're with (Emily Giffin)

Nem sei porque comprei esse livro, foi mais uma escolha aleatória em meio a uma pilha de clássicos. Estava sentado há mais de 1 ano na minha estante, meio que escondido  atrás de pilhas de livros recém-comprados. Mas sabe aqueles dias em que você se sente meio que blue - chovendo uma chuvinha fina de preguiça, fria, sabes que temperatura não vai passar dos 10ºC e pensa que uma leitura rápida talvez faça a diferença?

Leitura rápida! Foi o que pensei quando escolhi Love the one you're with - Ame o que é seu, em português, meu primeiro chick-lit do ano!

"Aconteceu exatamente cem dias depois que casei com Andy, quase que no mesmo minuto da nossa cerimônia às três e meia da tarde" (pag. 01)

Ellen esbarra em Leo num cruzamento numa das ruas de Nova York. Há quase 8 (ou eram 6? esqueci!) anos atrás Ellie e Leo haviam terminado um conturbado, emocionante, voluptuoso relacionamento de 2 anos... Ela desejava o próximo passo na relação - Ele, muito pouco pensava ou queria isso naquele período da vida. Acabou meio que assim, sem uma grande briga ou uma longa discussão ou entre choros e palavras doloridas... nada disso... apenas um "acho que a gente deve terminar". Ponto.

Quando eles se reencontram, Ellie está numa outra etapa. Casada com Andy, o marido perfeito de todo chick-lit - de uma rica família tradicional (de Atlanta), com uma carreira brilhante a sua espera (advogado), super gato, loiro e de apaixonantes olhos azuis, irmão de sua melhor amiga Margot.

Mesmo amando o marido, Ellie não consegue evitar a nostalgia do encontro - primeiro ela quer sentir aquele gostinho de vingança, esfregar na cara de Leo que ela tá numa boa, que ele é passado e que o que viveram é mera lembrança. Mas depois de observar o comportamento de Leo - sentir que ainda resta algum conflito, um sentimento de caso-mal-resolvido - as dúvidas inundam seus pensamentos... o dolorido caso do SE!

E se tivéssemos conversado antes?
Se ele tivesse me procurado?
Se esse reencontro é coisa do destino nos reaproximando?
E se o casamento com Andy não era para ser?

A história é exageradamente envolvente - do ponto de vista feminino, mulherzinha! - a cada página o suspense e os conflitos aumentavam, com o desenrolar dos eventos sentia meu coração pulsar e a mão suar, sentia como se eu fosse a própria Ellen tendo que escolher o que poderia ter sido e o que é. Deixaria me envolver no flashback ou escolheria aceitar a decisão que já tomei? Escolheria o desafio das montanhas ou a mansidão da praia?

Incrível que eu fiquei torcendo para Andy (o marido) no início - "Fala sério Ellen! Vai trocar o certo pelo duvidoso?" - mas com o desenvolvimento da história, o passado de Leo e Ellie vai se revelando e a forte ligação dos dois vem a tona (logo no período que Andy e Ellen mudam para Atlanta e ela se sente miserável em meio a toda aquela gente rica e esnobe e Andy começa a mudar de atitute, ela se sente sozinha, solitária mesmo e Andy está lá com os amigos, jogando golf!) - daí comecei a torcer pelo Leo.

"Mas talvez é a isso mesmo que tudo se resuma. Amor, não como um rompante de paixão, mas como uma escolha de se comprometer a alguma coisa, a alguém, não importa quais obstáculos ou tentações cruzem o meio do caminho. E talvez fazer essa escolha, de novo e de novo, dia sim e dia não, ano após ano, prove mais sobre a intensidade do amor do que se eu nunca tivesse que fazer tal escolha na vida" (pag. 331)
Confesso que quando terminei de ler (com a pela arrepiada e os olhos marejados - malditos chick-lit!) senti meu coração leve, um sentimento de ternura me envolveu e pensei no meu marido. Pensei no que EU escolheria se estivesse numa situação dessas.

Sentei com ele e meio que resumi a história, a voz embargando, emocionada. Resumi e concluí respondendo a pergunta que havia feito a mim mesma ao terminar a leitura - Todos os relacionamentos que tive antes do marido foram terminados em situações adversas, até meio dramáticas, com um ponto final explícito, sem espaço para SEs, e até hoje quando, muito raramente, penso no passado, meu coração confirma que meu casamento e meu marido foram as escolhas mais certas para mim - daí o marido me olha com os olhos brilhantes, um leve sorriso no rosto, como que diz eu também te amo tanto!

Concluí que Love the one you're with veio para me mostrar nas suas entrelinhas que realmente o amor é comprometimento, é uma escolha e não uma opção, que eu escolhi o meu marido para a vida e não apenas para aqueles momentos que me sinto extremamente feliz, que tenho comigo meu melhor amigo e sou amada sem limites e isso me basta, sem dúvidas ou SEs. Fred me olhou profundamente nos olhos, como se examinasse minha alma e respondeu: "Mamy (amo quando ele me chama de mamy, não sei porque!), acho que acabamos de subir mais um nível!" - e me abraçou apertado, apertado!

Emily Giffin é super conhecida por seus chick-lits, já teve quatro deles na lista dos mais vendidos do The New York Times... formou em Direito pela Universidade de Virgínia mas decidiu largar tudo, mudar para Londres e escrever em tempo integral, se quiserem saber mais sobre ela, visitem o site: Emily Giffin

"E é exatamente onde eu pertenço e onde eu quero ficar, para sempre" (pag. 339)