Tuesday, January 20, 2009

Eat, Pray, Love (Elizabeth Gilbert)


Eu relutei um pouco pra ler esse livro. Pensei e repensei por quase 6 meses mesmo apos varias sugestoes, por fim decidi em me aventurar nesse livro depois que uma amiga do marido (e uma das pessoas a sugerir a leitura) decidiu ir pra Bali pra tentar a mesma sorte de Liz Gilbert.

Ela foi pra Bali (ainda perguntando se eu ja tinha lido!), voltou... nao teve a mesma sorte mas trouxe muuuitas fotos.

Eat, Pray, Love - Comer, Rezar, Amar em portugues - conta as aventuras da autora Elizabeth Gilbert apos um sofrido divorcio e um conturbado relacionamento com David.

Em busca de um certo equilibrio em sua vida, Liz - uma escritora americana residente em Nova York, praticante de Yoga, e que sempre quis aprender italiano - decide passar os proximos 12 meses da sua vida em tres diferentes paises. Italia, India, Indonesia (necessariamente nessa ordem!).

Logo apos a oficializaçao do divorcio, Liz embarca para Italia por 3 meses. Apaixonada pelo idioma, aproveita cada oportunidade para praticar seu italiano. Conhece Sofie da Suecia, na escola. Giovanni, um italiano querendo aprender ingles, atraves de um anuncio de jornal. Lucas Spagetti, outro italiano apaixonado por futebol, atraves de amigos em comum. Maria e Giulio, uma americana casada com italiano, atraves de outra amiga.

Em poucos meses Liz ja se sente em casa, cercada por novos amigos, viajando pela cidadezinhas italianas, comendo muita massa sempre, tomando muito vinho e o melhor de tudo. FALANDO EM ITALIANO.

Preciso ressaltar que ha muitas passagens MUITO engraçadas durante todo o livro e em especial na Italia!

Pag. 49 - Liz comenta sobre a depressao apos o divorcio e os recursos usados por ela para vencer essas etapas.

"Eu parei de comer carne (por pouco tempo, mesmo assim) depois que alguem
me disse que eu estava "comendo o medo do animal no momento da sua morte". Uma lunatica nova era massagem terapeuta me disse que eu deveria usar calças de cor laranja, para rebalancear meu chacras sexuais, e meu irmao - eu na verdade
usei!"

Pag. 69 - Liz num estadio de futebol assistindo (com Lucas Spagetti) ao jogo Lazio x Roma - descreve os comentario de um senhor assistindo ao jogo.

"AAAAAAAHHHH! VAFFANCULO! FILGIO DI MIGNOTTA! STRONZO! CAFONE! TRADITORE"....
(e por ae vai... hilariamente!)

Pag. 71 - Liz e seus comentarios sobre seu italiano.

"(...) E entao eu serei uma verdadeira garota italiana, ao inves de uma
total americana que ainda nao consegue ouvir alguem chamar do outro lado da rua o amigo Marco sem querer institivamente gritar de volta POLO!"

Os meses na Italia foram gastos em sua maioria em PRAZER, o delicioso prazer de COMER!
O objetivo de Liz era apos o cafe da manha (delicioso por sinal), andar pelas ruas a procura de um otimo restaurante para o almoço e em sequencia... encontrar o proximo para o jantar. Experimentou as delicias de Sicilia, Florença, Roma, Veneza... e foi a Napole experimentar a melhor pizza do mundo!

Na Italia tambem ela se livrou dos anti-depressivos e descobriu a força dentro de si, seu EU interior que a ajudava sempre que os fantasmas da depressao a invadiam, e terminou definitivamente seu relacionamento com David.

Em India, com um outro objetivo em mente, Liz vai para um Ashram, uma especie de templo para retiro espiritual, onde pessoas adeptas a meditaçao vao para aprofundar seus estudos e atingir novos niveis.

A rotina eh basicamente essa: todos acordam as 03:30 da manha para 1 hora de meditaçao na caverna escura. Depois, no templo central, cantam por quase 1:30 o hino chamado Gurugita, com 182 versos, e em Sanscrito. O resto do dia eh dividido entre afazeres domesticos (limpar, passar, cozinhar) e mais meditaçao. Dormem as 21:00h.

Carismatica e faladora, logo Liz faz amizades. Entre eles esta o Richard do Texas, personagem engraçadissimo, de uma sabedoria simples e amavel, que se tornou grande amigo e conselheiro de Liz, a quem deu o apelido de Groceries (Comestiveis - apos ver o tanto que ela comia durante as refeiçoes).

No Ashram Liz, ainda lidando com os traumas do divorcio e os sentimentos por David, com a ajuda dos amigos, da meditaçao e os ensinamento da sua Guru, atinge outros niveis de meditaçao e livra-se (apos muitas lutas) da culpa por ter abandonado o marido, consegue se perdoar e perdoar o ex (graças a iniciativa do novo amigo, o encanador/poeta de Nova Zelandia). Aprende a ter um relacionamento profundo e verdadeiro com Deus.

"Oraçao eh um relacionamento; metade do trabalho eh meu. Se eu quero
transformaçao, mas nao consigo nem me incomodar para articular o que exatamente estou mirando, como isso vai acontecer? (...) Eu me ajoelho ali no templo com meu rosto naquele chao de marmore gelado pelo tempo que for preciso para formular uma autentica oraçao". (pag. 177)
Eis aqui seu objetivo na India - ORAR (ou rezar como diz a traduçao do livro em portugues, que eu por sinal, discordo).

Por fim, Indonesia.

Liz retorna para Indonesia apos 2 anos. Na primeira viagem (a trabalho) conhece o "curandeiro" Ketut Liyer que apos ler sua mao, diz algumas coisas sobre o momento em que Liz esta vivendo e prediz que ela voltara em breve para morar por algum tempo. Liz pede para Ketut ajuda-la a encontrar Deus. Aqui esta ela de volta.

A primeira amizade em Bali, Mario - empregado do hotel em que ela se hospeda - que a leva para Ketut Liyer e em breve, a ajuda a mudar do hotel para uma casa alugada. Liz passa, a principio, suas tardes com o novo amigo curandeiro, observando seu trabalho com os que o procuram.

Com o desejo aprofundar seus estudos na meditaçao, Liz pede que Ketut a ensine outros tipos de meditaçao... Ketut a ensina a meditaçao Balinesa... sorrir com o figado!

Basicamente, sentar na posiçao de meditaçao e sorrir. Ao atingir o nivel mais alto, ela estaria entao sorrindo com o figado.

Na casa nova, com um jardim maravilhoso, Liz conhece Yudhi, de 27 anos, que fala ingles perfeitamente bem e apaixonado por Nova York... em pouco tempo se tornam amigos e trocam historias e confidencias.

Apos um acidente de bicicleta e para sua surpresa, nao receber ajuda de Ketut, Liz visita uma lojinha de produtos naturais/restaurante/spa massagem, e eh onde conhece Wayan curandeira/cozinheira/massagista. Nem preciso dizer que em menos de 4 horas, Wayan e Liz ja eram amigas-irmas.

Atraves de Wayan, Liz conhece Armenia de Oliveira (uma brasileira muito sexy e sempre otimamente vestida) que a convida para uma FESTA BRASILEIRA em BALI! Onde ela experimente a famosa feijoada (com direito a descriçao e tudo!) e os drinks brasileiros (entende-se por caipirinha), onde eh apresentada a Felipe (um brasileiro de 50 e poucos, charmoso, inteligente, divorciado).

Felipe e Liz passam otimos momentos juntos, dividem historias, experiencias, duvidas e sentimentos.

Em Bali, Liz encontra o AMOR.


Eu gostei do modo que a autora escreveu o livro, linguagem coloquial, extremamente engraçada, conversando com os leitores enquando conta suas aventuras. Outro detalhe interessante, e que particularmente eu adoro, quando os autores citam frases de outros autores ou pensadores para acrescentar a historia, ou exemplificar o que ela tenta explicar. Aquela coisa de: Fulano de tal falou em seu livro... Lembrando de Ciclano de tal que um dia disse... Eu amo! E ela cita desde Santo Agostinho, Dante, a Walt Witman.

Em muitos momentos achei repetitivo, principalmente nos assuntos divorcio/David/assuntos religiosos. Apesar de nao concordar com muitas das opinioes religiosas dela, nao ser adepta a Yoga, nem acreditar nessa historia de Guru, de reencarnaçao, de chacras, etc, etc... aprende-se bastante sobre outras culturas e crenças atraves das explicaçoes de Liz em meio as historias.

Eu amei o livro, tanto que busquei informaçoe sobre os personagens da historia e claro, queria saber se o amor encontrado em Bali ainda dura. Para minha felicidade, encontrei detalhes e fotos no site da autora. Quem quiser saber tambem:


3 comments:

Juliana said...

Adorei o livro so pelo resumo que voce fez...ja vai pra minha lista de livros a comprar.

Andreia Torres said...

Também relutei durante todo o ano ler este livro, mas tenho que confessar que estou amando!

Minilde said...

Amei o livro, e já indiquei para varias amigas.
Elizabeth, consegue nos prender do
começo ao fim.
Nâo vejo a hora de assistir o fime.
bjs.
Minilde /Santos-Brasil